quarta-feira, 30 de março de 2011

Os melhores beijos do cinema - parte 1

Uma das atividades a qual tenho podido me entregar através deste blog é a de fazer inventários. Através das minhas listas me lanço ao prazer do arquivo e busco desafiar a mémoria e o tempo, relembrando as cenas que marcaram a história do cinema e as que marcaram a minha história. Neste post, enumerarei os melhores beijos do cinema. A lista de hoje promete ter muitos desdobramentos já que em praticamente  todo filme existe pelo menos um beijo e seria injusto, portanto, me limitar a apenas uma lista. Nesta primeira seleção, escolhi alguns beijos que se tornaram clássicos  do cinema e outros que, apesar de recentes, têm tudo para se tornarem. Antigos ou novos, são todos beijos de amor. Lembrando que esta é somente a primeira parte de uma seleção que se pretende bem longa...

1 - E o vento levou... (Gone with the wind) - 1939

Clark Gable e Vivien Leigh

Em E o vento levou, um dos meus filmes favoritos, a (anti)heroína Scarlett O'Hara distribui vários tapas e ganha alguns beijos.  Muitos deles são marcantes. Destaco o beijo entre ela e Rett, que acontece antes que ele vá lutar na guerra. Ele a deixa no meio do caminho em direção a Tara. Rett diz: "Aqui está um soldado do Sul que ama você, Scarlett. Que quer sentir seus braços em volta dele, que quer carregar na memória seus beijos nas batalhas. Não se preocupe em me amar, você é uma mulher enviando um soldado para a sua morte com uma linda lembrança. Scarlett! Beije-me! Beije-me! uma vez...". 

O vermelho saturado da fotografia desta cena, presente em diversos momentos durante o filme, torna este beijo ainda mais lindo. 





2 - A um passo da eternidade 
(From here to eternity) - 1953 

Burt Lancaster e Deborah Kerr

Este beijo é normalmente apontado como o mais sexy do cinema. Ele transborda sensualidade e é extremamente ousado, principalmente se considerarmos que foi filmado na década de 50. O filme em si não me agrada muito, mas esta cena permanece como uma das mais famosas do cinema, tendo sido parodiada por diversas vezes, inclusive no desenho Shrek.


3 - Meu primeiro amor (My girl) - 1991

Macaulay Culkin e Anna Chlumsky
Meu primeiro amor é um filme que está presente na memória afetiva de toda uma geração. A cena deste primeiro beijo é um dos momentos mais fofos do cinema! Lindo e sensível, o filme fala sobre o amor, sobre crescer e sobre como lidar com a morte...


4 - Bonequinha de luxo (Breakfast at Tiffany's) - 1961

George Peppard e Audrey Hepburn
Bonequinha de Luxo é um filme maravilhoso, que consegue ser comédia, romance e drama. Esta cena final é emocionante: a busca pelo gatinho de Audrey termina com um lindo beijo sob a chuva e observe que o gatinho está lá no meio.


5 - Homem-aranha (Spider man) - 2002

 Ok... o filme não é nenhuma obra-prima, mas este beijo foi um dos mais marcantes da última década.


6 - Moulin Rouge, o amor em vermelho - 2001


Moulin Rouge, que trouxe de volta os musicais, é também palco para uma grande história de amor. Este beijo ocorre logo depois que Ewan McGregor canta a linda música de Elton John, Your song.


7 - Uma linda mulher (Pretty Woman) - 1990 


Uma linda mulher conta a história da paixão entre uma prostituta e seu rico cliente. Entre os personagens de Julia Roberts e Richard Gere havia a regra de jamais beijar na boca, ato considerado muito íntimo. Esta cena corresponde ao momento em que este limite é rompido, neste belo conto de fadas moderno.



8 - Titanic - 1997

Leonardo DiCaprio e Kate Winslet

Cena um pouco gasta, mas que não deixa de ser um momento especial do cinema. Impossível não se lembrar dela quando se pensa em grandes beijos. 


9 - O casamento do meu melhor amigo 
(My best friend's wedding) -  1997


Adoro o filme e adoro esta cena, que também contém uma linda declaração de amor, com a ótima frase de  Julia Roberts "Choose me!" (Escolha-me). Roberts, na minha opinião, tem uma das melhores atuações da sua carreira neste filme e o  beijo roubado é sensasional. 

video


10 - WALL-E - 2008


Wall-e, obra-prima da Pixar, é um dos grandes romances do cinema e, quem diria, entre dois robôs. O beijo entre Wall-e e Eva é seguido de uma linda dança no espaço.



11 - A dama e o vagabundo (Lady and the Tramp)- 1955

Vagabundo e Dama



Este é o beijo acidental mais famoso do cinema. E merecidamente...


12 - Branca de Neve e os sete anões
(Snow White and the Seven Dwarfs) - 1937


Branca de Neve e os sete anões sobrevive ao tempo como um dos filmes mais importantes do cinema. Esta cena corresponde ao beijo da vida, em que o príncipe finalmente encontra sua amada.

 

domingo, 27 de março de 2011

O golpista do ano (I love you Philip Morris) - 2009

Jim Carrey e Ewan McGregor em cena do filme

O filme, logo em sua abertura, nos informa: "Isto realmente aconteceu". Aviso que se faz realmente necessário, uma vez que, na hora e meia que se segue, vemos uma sequência de acontecimentos tão absurdos que nos fazem duvidar da veracidade dos fatos exibidos. I love Philip Morris, pessimamente traduzido para o português por O Golpista do Ano, é um filme que poderia muito bem ser mais um passatempo descartável estrelado por Jim Carrey. No entanto, ele se revela bem mais interessante do que poderíamos imaginar.

O filme conta a história verídica de Steven Russel um pacato policial e pai de família que promove uma reviravolta em sua vida ao se assumir homossexual e ao iniciar uma vida de golpes financeiros. Após ser pego e condenado à prisão, ele conhece Philip Morris na cadeia e se apaixona por ele. Jim Carrey, típico ator ame-o ou deixe-o, mostra mais uma vez (já o havia feito em Brilho eterno de uma mente sem lembranças e em Show de Truman) que é um ótimo ator quando quer. Abandonando parcialmente suas famosas caretas, mas continuando a nos oferecer uma performance extremamente física (o que ele faz muito bem), o ator se entrega de corpo e alma ao seu personagem. Genialmente, ele consegue incorporar o drama a sua performance cômica, uma vez que Steve Russel carrega em si um mundo de contradições e problemas.

O personagem de Carrey é bem definido por Philip Morris (Ewan Mcgregor) neste pequeno e belo monólogo: 

"E você espera que eu te ame? Como? Como eu posso te amar? Eu nem sei quem você é. E sabe o que é triste, eu nem sei se você sabe quem é. E como posso amar alguém que nem existe, me diga?"

O Golpista do Ano é dirigido por uma dupla estreante Glenn Ficarra e John Requa, que também assinam o roteiro. Lidando, no geral, de forma corajosa com um tema polêmico, eles acertam na maioria das escolhas, pecando apenas ao mostrar, em determinados momentos, desconforto ou insegurança ao lidar com a temática gay. Erram a mão, por exemplo, ao tratar duas cenas de sexo entre Morris e Russel de maneira, no mínimo, pouco elegante e fora do tom. Os diretores também se entregam à uma estrutura repetitiva, que serve para ilustrar a sequência de golpes de Russel e a passagem de tempo, mas que, depois de muito usada, torna-se um pouco cansativa.

Além de Carrey, deve-se ser elogiada a composição sensível de Ewan Mcgregor (uma das melhores coisas do filme) e a ponta digna de Rodrigo Santoro. O Golpista do Ano, um Prenda-me se for capaz gay, é um filme que não tem vocação para passatempo sem compromisso e nem para unanimidade. Eu recomendo. 

Trailer do filme:


quarta-feira, 23 de março de 2011

Adeus a Elizabeth Taylor


Hoje é um dia muito importante para o cinema. Muitos podem não saber ou não se dar conta disto: nesta quarta-feira, perdemos a última grande estrela feminina da Hollywood Clássica. Ainda temos Olivia de Havilland e Debbie Reynolds, mas essas grandes atrizes nunca alcançaram o status da eterna diva Taylor. A atriz, que morreu hoje aos 79 anos de uma insuficiência cardíaca congestiva, teve uma vida intensa, cheia de amores, excessos e glamour. Casada 8 vezes, duas com o grande ator Richard Burton, a atriz tinha dez netos e quatro bisnetos. Também deve ser lembrada e louvada como pioneira na luta contra a AIDS. Durante sua vida, ela sofreu com vários problemas de saúde; no final dos anos 50, por exemplo, ela se submeteu a uma cirurgia no cérebro. Taylor ganhou o Oscar duas vezes: a primeira por "Disque Butterfield 8" (1960) e a segunda por "Quem tem medo de Virginia Woolf?" (1966).

A beleza desta estrela maior do cinema está imortalizada em filmes como "Cleópatra" (1963) e "Assim caminha a humanidade" (1956). O que muita gente não sabe é que ela começou a atuar novinha fazendo o filme "Lassie come home" (1943). Eu sou um grande fã de sua personalidade marcante, de sua sensualidade única e principalmente do seu talento. A atriz de olhos violeta tem uma das melhores performances da história do cinema em "Quem tem medo de Virginia woolf?", sem exagero algum! Ainda está maravilhosa em "Gata em teto de zinco quente" (1958) e em "De repente no último verão" (1959).

Felizmente, Elizabeth Taylor está imortalizada em seus filmes e, como a estrela que é, nunca será esquecida...

Cena da atriz em seu melhor filme "Quem tem medo de Virgínia Woolf?":



Fotos da atriz:

Rango - 2011

Este é o simpaticíssimo Rango.
Rango em uma das primeiras cenas do filme.

Quem gosta de filme de animação, vai provavelmente amar Rango. O filme é dirigido por Gore Verbinski, versátil diretor de Os piratas do Caribe e O chamado. A animação, grande homenagem aos filmes de western, captura as principais características do gênero e inclui elementos típicos como o árido oeste americano, tiroteios, cowboys, xerifes, pistoleiros, entre outros. Trata-se de uma releitura do gênero e não de uma paródia, o que, a meu ver, torna o filme ainda mais interessante.
 
A produção conta a história de Rango, um lagarto solitário que, devido a um acidente, se vê perdido no meio do mais absoluto deserto e, por uma sucessão de acontecimentos, acaba se tornando o xerife de uma vila típica de faroeste. Entre os personagens da animação, temos anfíbios, répteis e roedores. E quem acha que eles são animaizinhos bonitinhos no estilo Disney, está enganado. Suas feições são marcadas por  expressões endurecidas, cicatrizes e queimaduras... o desenho é incrivelmente fiel às características dos personagens que povoam o mundo do faroeste. Mas não se preocupe, ainda encontramos personagens fofíssimos como um roedor velhinho e o próprio Rango. O carismático lagarto é, inclusive,  um personagem super interessante: acostumado a não ter nenhuma companhia a não ser de objetos,  ele aprendeu a atuar e a usar a imaginação para combater sua solidão.

Rango agrada e emociona adultos, mas não deixa de ser uma diversão para as crianças. O filme conta com uma ótima trilha sonora e uma direção inspirada, que usa muito bem referências à faroestes consagrados como Matar ou Morrer e obras de Sergio Leone. O filme ainda conta com a "presença"  ilustre e surpreendente de um astro do faroeste em sua parte final. Inteligente, engraçado, sensível e tecnicamente admirável, Rango vale, e muito, o ingresso do cinema.

Assista ao trailer:

sábado, 19 de março de 2011

Declarações de amor no cinema 2

Julie Delpy e Ethan Hawke no lindo Antes do pôr-do-dol

Esta é a segunda lista das minhas declarações de amor favoritas do cinema. Continuo escolhendo aquelas que fogem do convencional e singelo: "Eu te amo!". 

1 - Antes do Pôr-do-sol - 2004

Canção: A waltz for a night (cena legendada)

video

Antes do Amanhecer é um dos filmes mais românticos dos anos 90, assisti-lo é testemunhar duas pessoas se apaixonando diante dos nossos olhos. Sua continuação, realizada 10 anos depois, Antes do Pôr-do-sol é igualmente linda. Neste segundo filme, a francesa Celine, interpretada pela doce e linda atriz Julie Delpy, canta uma canção que é uma bela declaração de amor para Jesse (Ethan Hawke). Para contextualizar: os dois tinham se encontrado dez anos antes na Europa, se apaixonaram, tiveram uma noite de amor. Ele precisa voltar para os Estados Unidos, então eles combinam um encontro em seis meses, não trocam telefone, nem endereço. Um imprevisto ocorre e eles só se encontram após 10 anos. A canção é linda... e ao final, temos duas falas geniais que dizem tudo sobre o futuro do casal. Ele precisa pegar um vôo, já que está só de passagem por Paris, aí ela diz: "Querido você não vai viajar". E ele responde: "Eu sei."

2 - Como se fosse a primeira vez - 2004

Canção: Forgetful Lucy (cena legendada)


Tudo bem que Adam Sandler não tenha uma filmografia muito digna de respeito, mas este filme é um exemplo de como ele pode ser um bobo adorável e romântico. Como se fosse a primeira vez  é uma comédia romântica (mas acho a situação bem dramática e choro sempre) que conta a história de um moço que se apaixona por uma amnésica e tem que a reconquistar todos os dias. A declaração de amor é feita através de uma canção... boba, mas super fofa, e, em meio a piadinhas, ele diz "Mas mesmo assim eu amo tanto ela, e nunca vou deixá-la". (Devo confessar que também acho Drew Barrymore uma figura apaixonante...) Ao final da cena, quando os dois vão dormir ele pede: "Por favor não me esqueça!". O filme tem outras cenas muito boas, como quando ele tenta chamar a atenção dela na estrada. 

3- Embriagado de amor - 2002




Esta é a declaração de amor mais violenta e menos convencional que eu já vi. Cena tirada do ótimo filme de Paul Thomas Anderson, Embriagado de Amor. Novamente temos Adam Sandler; desta vez contracenando com a fantástica atriz inglesa Emily Watson. Os personagens expressam a violência do sentimento deles de uma forma única no cinema. Ela diz: “Quero morder sua bochecha e mastigá-la”. Ele responde:  “Quero amassar o seu rosto com um martelo e esmagá-lo, você é tão linda…” E  ela finaliza: “Quero arrancar seus olhos, comê-los, mastigá-los e chupá-los". É genial, estranho, um pouco erótico e (porque não?) romântico...

Fala original em inglês:

Barry: I'm lookin' at your face and I just wanna smash it. I just wanna fuckin' smash it with a sledgehammer and squeeze it. You're so pretty.
Lena: I want to chew your face, and I want to scoop out your eyes and I want to eat them and chew them and suck on them.
[pause]
Barry: OK. This is funny. This is nice.


4- O feitiço da lua - 1987


O feitiço da lua é uma divertida comédia romântica dos anos 80 que lançou Nicolas Cage ao estrelato e deu o Oscar de Melhor atriz para Cher. Toda esta cena é muito boa, mas selecionei a parte em que o personagem de Nicolas Cage se declara para Loretta (Cher) e tenta convencê-la a se entregar ao amor. Ele diz: 

“Loretta, eu te amo. Não como eles dizem que o amor é e eu também não sabia disso, mas o amor não torna as coisas bonitas – ele estraga tudo. Ele parte o seu coração. Ele bagunça as coisas. Nós não estamos aqui para fazer coisas perfeitas. Os flocos de neves são perfeitos, as estrelas são perfeitas. Nós não! Nós estamos aqui para arruinar uns aos outros, partir nossos corações, amar as pessoas erradas e morrer. Os livros de história são bobagem. Agora eu quero que você suba as escadas comigo e deite na minha cama”.

Lindo, né? 

Fala original em inglês:

Ronny Cammareri: Loretta, I love you. Not like they told you love is, and I didn't know this either, but love don't make things nice - it ruins everything. It breaks your heart. It makes things a mess. We aren't here to make things perfect. The snowflakes are perfect. The stars are perfect. Not us. Not us! We are here to ruin ourselves and to break our hearts and love the wrong people and *die*. The storybooks are *bullshit*. Now I want you to come upstairs with me and *get* in my bed!

5 - Uma aventura na Martinica  - 1944


Este filme de Howard Hawks exala a química e a paixão entre os seus atores principais : Hunphrey Bogart e Lauren Bacall. Ele se tornou famoso por ser o filme em que o relacionamento dos dois atores começou. Nesta cena, a personagem de Bacall se declara de uma maneira muito original e atrevida ao personagem de Bogart. Após um longo jogo de sedução, ela se rende e diz uma das melhores falas do cinema:

"Você sabe que não precisa atuar comigo, Steve. Você não precisa fazer nada, nem dizer nada. Talvez apenas assoviar.Você sabe assoviar, não sabe, Steve? Basta apertar os lábios e... soprar."

Fala original em inglês:  

Slim: You know you don't have to act with me, Steve. You don't have to say anything, and you don't have to do anything. Not a thing. Oh, maybe just whistle. You know how to whistle, don't you, Steve? You just put your lips together and... blow.  


sexta-feira, 18 de março de 2011

Darling - 1965


Darling é um filme longo, bem longo... em suas duas horas de duração. Longo porque fala do vazio, é uma não-história. Concentrando-se em um estudo de personalidade mais do que em uma trama propriamente dita, o filme acompanha as desventuras de uma personagem egocêntrica, imatura, ambiciosa, frívola, egoísta, indecisa... e lá se vai uma série de adjetivos pouco lisonjeiros. Diana Scott, a "darling" do filme, que no Brasil saiu com o subtítulo no mínimo irônico "a que amou demais", é uma mulher que não sabe o que quer, mas que sabe que quer muita coisa. Falo mal dela, mas na verdade é uma personagem extremamente interessante porque mostra todas as incongruências humanas. Assistimos, durante duas horas, a tentativas dessa mulher de se tornar algo, mas ela constantemente se boicota, ignorando completamente o que sente. Devo estar dando a impressão de que não gostei do filme... pois bem: ele é fantástico!

Para começar, a abertura de Darling exibe um outdoor com uma imagem de africanos passando fome, sendo substituída por um luxuoso anúncio publicitário que tem a protagonista em destaque. Essa é uma metáfora recorrente na produção, que de certa forma nos informa: esse filme mostra a superficialidade em seu máximo... O filme inglês tem um diálogo com o clássico italiano A doce vida, de Fellinni. Ambos retratando um grupo de pessoas ricas, narcisistas, artificiais, vazias e entediadas com a própria existência. O diretor John Schlesinger olha com uma ironia mordaz para os tipos que apresenta e sua direção é genial, inteligente, extremamente elegante e sensível... O filme é um colírio para os olhos, com planos e enquadramentos belíssimos e uma fotografia em preto e branco maravilhosa. 

Diana Scott é interpretada por Julie Christie, no papel que lhe rendeu o Oscar. É uma grande interpretação, em um filme que também é uma homenagem a sua beleza. A produção foi lançada no mesmo ano em que o  famoso épico Dr. Jivago, filme que rendeu à atriz fama mundial. Dois outros atores se destacam: os fantásticos Laurence Harvey (que tem ótimas frases ácidas no filme) e Dirk Bogarde (em uma bela atuação). Darling possui cenas maravilhosas, como a sequência de um strip-tease enraivecido em uma mansão italiana e um jogo bizarro em uma festa em Paris. 

Darling talvez te deixe tão entediado quanto sua protagonista... para mim, foi a descoberta de um cinema elegante e cínico.

Veja as belas fotos do filme:

domingo, 13 de março de 2011

Psicose (1960)

Janet Leigh na mais famosa cena de chuveiro de todos os tempos

Psicose, uma das quatro obras-primas mais conhecidas de Hitchcock, é um clássico do terror que permanece tão perturbador quanto a 50 anos atrás. O terror do filme, no entanto, vem menos do enredo do que da maestria com que Hitchcock dirige o espectador. O mestre inglês manipula seu público, a seu bel-prazer, nos deixando a par do que o ocorre em um sinistro hotel de beira de estrada, mas nunca nos revelando tudo de uma vez só... 

Ao assistir o filme pela segunda vez, depois de um long hiato, me surpreendi com a bela fotografia em preto e branco do filme, uma das responsáveis pela construção de uma atmosfera sombria e tensa. E existe certa frieza na maneira com que o diretor conduz sua narrativa que aumenta ainda mais a sensação de desconforto. Longe de conter uma tragédia amorosa, como em O corpo que cai, o filme nos apresenta falsas pistas com relação ao centro de sua intriga. Logo na primeira cena do filme, a câmera invade um quarto de motel onde dois amantes aproveitam uma hora furtiva durante o dia... Mas o filme não conta uma história de amor. Depois, a mesma moça do motel (Janet Leigh) rouba uma grande soma de dinheiro do escritório em que trabalha, mas tampouco a trama do roubo é o centro do filme. E (não leia esta frase se você não tiver a mínima idéia do que acontece filme e se quiser assisti-lo antes) é no mínimo inusitado que a protagonista, apresentada a nós como tal, seja assassinada na metade do filme.

Uma das tiradas de gênio de Hitchcock é a maneira com que ele nos despista, para nos apresentar quase na metade da projeção uma trama macabra, representada pelo fantástico personagem Norman Bates e o seu hotel no meio do nada. Bates é uma das personalidades mais interessantes do cinema, tendo sido imortalizado pelo grande ator Anthony Perkins. É brilhante a forma com que Perkins constrói seu personagem: a princípio, um jovem naturalmente simpático e agradável que pouco a pouco vai mostrando seu desequilíbrio. Há alguns posts atrás, eu disse que Marnie era o filme mais "freudiano" do diretor, mas Psicose não fica muito atrás, o que o título em si já revela. Toda a questão do complexo de Édipo e outras questões de ordem psicanalítica estão envolvidas na relação do reprimido Bates com sua mãe.

A cena mais célebre do filme é tão famosa, que a maioria das pessoas a conhecem sem nunca ter visto o filme. E não é por acaso que ela se tornou um marco na história do cinema e é considerada, até hoje, como a cena mais assustadora de todos os tempos. O mais interessante é observar que a sequência é construída como uma sucessão de cortes ritmados pela trilha sonora e pelo som da faca. E se observarmos atentivamente, vemos que em nenhum momento a arma sequer encosta na atriz. A violência está na genial montagem de Hitchcock e na trilha sonora de arrepiar de Bernard Herrmann.

Psicose é cinema no que ele tem de melhor... A última cena e o último olhar de Norman Bates são deliciosamente assustadores. 

Anthony Perkins, fantástico e assustador como Norman Bates





Trailer do filme:

quinta-feira, 10 de março de 2011

Easy A - 2010


Cartaz do filme

Deveria existir um bom filme debaixo de todos os clichês de Easy A, mas temo que nem isso aconteça. Esta comédia recém-produzida, que ainda não estreou no Brasil, conta a história de uma garota que  acaba assumindo a fama de "fácil" para toda a escola, após uma mentira contada por ela mesma. No Brasil,  ele deve sair com o péssimo título de "A mentira". O universo adolescente é muito  interessante e deveria produzir obras que não fossem tão limitadas quanto esta.  Apesar de ter um argumento válido, que fala do jogo de aparências e da necessidade de ser aceito, o filme é no mínimo, raso.  A produção parece ser mais uma fraca comédia adolescente escrita para Lindsay Lohan. Atriz que pelo menos fez uma coisa boa do gênero, um filme chamado Meninas Malvadas (2004), que consegue ser divertido. Easy A  tem uma história que muito lembra o filme de 2004, mostrando como sua estrutura repete o mesmo do mesmo. Temos: a garota boa não popular (mas que quer o ser), que acaba fazendo besteira; pessoas  se voltam contra ela; ocorre redenção, etc. Alguns planos são, inclusive, os mesmos, como quando ocorre a também típica "transformação".

Apelando para estereótipos, mesmo que disfarçados, não tem como assistir Easy A sem pensar: já vi este filme antes. Ele repete uma fórmula que parece agradar o público adolescente. E isso me impressiona já que, de nenhuma forma, ele retrata a realidade deste público, uma vez que o olha de uma maneira simplista e até mesmo preconceituosa. A melhor coisa do filme é sua simpática protagonista, interpretada por Emma Stone. Mas, infelizmente, o filme desperdiça, ou pior, expõe ao ridículo grandes atores como Stanley Tucci, Patricia Clarkson, Lisa Kudrow, Thomas Haden Church, Malcon McDowell e Amanda Bynes. A última, ótima atriz, aos 24 anos, parece fadada a fazer papéis adolescentes eternamente e este, com certeza, é o pior de todos que ela já fez. Não é de surpreender que, há algum tempo atrás, ela tenha dito que iria parar de atuar.

Com poucas boas tiradas, uma trama fraca e previsível,e acúmulos de clichês bisonhos (como certa simulação de sexo, por exemplo), o filme mostra o que a falta de criatividade pode fazer com um bom elenco.




domingo, 6 de março de 2011

Os melhores choros do cinema 1

Kate Winslet chorando na chuva em Razão e sensibilidade
O fato de não estar no Brasil no Carnaval, me fez ter a ideia deste post das melhores cenas de choro do cinema. Obviamente, fiz uma lista baseada em minha memória de cinéfilo. Esta é, então, uma pequena lista dos choros que mais me marcaram no cinema e que me fizeram chorar junto (o que não é lá muito difícil). Quando eu ficar triste novamente, farei uma segunda seleção de cenas, porque não tem coisa melhor para curtir uma tristezinha do que se deixar emocionar com a desgraça (ou alegria) de um personagem.


1 - Razão e sensibilidade (1995)

Este lindo filme, adaptado da obra de Jane Austen, tem a direção do fantástico Ang Lee e o roteiro de Emma Thompson. Conta a história de duas irmãs: a mais velha, que representa a razão (Emma Thompson) e a mais nova que representa a sensibilidade (Kate Winslet). Escolhi uma cena de choro de cada uma. A primeira para mim é simplesmente genial. Spoiler: Ela se encontra no final do filme, quando a personagem de Thompson descobre que o seu amado não se casou com outra. Boa, abnegada, racional, sensata e generosa, é impossível não ter empatia pela personagem. Thompson atua de maneira contida durante todo o filme e quando ela recebe a notícia do não-casamento, ela explode e extravasa toda a emoção que estava reprimida, numa das melhores cenas de choro de alegria do cinema.
 
------

A segunda cena é igualmente importante e, ao contrário da rimeira, é um choro contido de tristeza. Após uma grande decepção amorosa, a personagem de Kate Winslet vai em direção ao castelo do amado, numa linda paisagem inglesa, e aos prantos, no meio da chuva,  murmura um trecho de um poema de Shakespeare. Esta cena é loucamente romântica, como a personagem.

Ela diz: Love is not love which alters when it alteration finds. Or bends with the remover to remove. Oh no! It is an ever fixed mark that looks on tempests and is never shaken. Willoughby. Willoughby. Willoughby.  

Para as almas românticas, aí vai o soneto integral  e traduzido de Shakespeare, de onde a personagem tirou a citação (dá vontade de decorar):


Soneto 116

De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça. Amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera
Ou se vacila ao mínimo temor.

Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;

È astro que norteia a vela errante
Cujo valor se ignora, lá na altura.

Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfanje não poupe nenhuma idade;
Amor não se transforma de hora em hora,

Antes se afirma, para a eternidade.
Se isto é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.


 


2 - O brilho de uma paixão (2009)

Outro belo filme, também poético (o que não poderia deixar de ser, visto que o personagem principal é o poeta John Keats), que deve ser visto nem que seja só por esta cena. O choro da personagem, interpretada por Abbie Cornish é uma das coisas mais lindas e sofridas que eu vi nos últimos anos. Spoiler: Ela recebe a notícia da morte do amado (não chega a ser um grande spoiler, porque é sabido que o poeta morreu muito jovem) e sua reação é de uma dor absurda e realista. Uma atuação, que só por essa cena, já merecia o Oscar. 



3 - Dançando no escuro (2000)

Este filme é dificílimo de assistir, como todos os filmes de Lars Von Trier, porque ele te deixa  completamente arrasado no final. Poderia ter escolhido também uma cena de Ondas do Destino, com a atuação sobrenatural de Emily Watson, mas vai ficar para próxima lista. Neste filme de 2000, Bjork tem uma performance tão entregue e linda, que nos faz ficar com o coração pequenininho. A cena que eu selecionei corresponde ao final do filme e me fez soluçar de choro. Quem ainda não viu o filme, não veja a cena ainda e assista a esta obra-prima desde o início. 



4 - E o vento levou (1939)

Uma cena clássica, de um dos filmes mais famosos do cinema. É o choro final de Scarlett O'Hara, interpretado pela Vivien Leigh. É um choro de súplica, de arrependimento, de medo e de força ao final. A personagem descobre o quanto amava o marido quando já era tarde demais. Para completar, é a cena em que aparece a frase mais célebre do cinema: "Frankly, my dear, I don't give a damn" (que poderia ser muito bem traduzida por: "Francamente minha querida, estou pouco me fu#$%&!"). É pra chorar mesmo...



5 - Preciosa (2009)

Em Preciosa, Mo'nique, com certeza, interpreta a mãe mais asquerosa já vista na telona. Mesmo assim, em sua última cena no filme, ela consegue humanizar a personagem em um monólogo maravilhoso. Sentimos um misto de raiva, ultraje e pena pela personagem. Em meios as lágrimas, ela ainda diz: "Who was gonna love me?" (Quem ia me amar?). Uma atuação incrível, ganhadora do Oscar no ano passado.

Cena completa com legenda: http://www.youtube.com/watch?v=FIB6WeewTNw


Mo'nique chorando em Preciosa


quinta-feira, 3 de março de 2011

Bravura Indômita - 2010

Jeff Bridges e Hailee Steinfeld

O filme começa: uma casa iluminada, ao longe, tudo ao redor na penumbra e uma fina neve que, pela luz que vem da casa, parece ser formada de gotas de fogo. Aos poucos, a câmera se aproxima, nos revelando um cadáver. Esta cena é o momento mais belo da fantástica fotografia de Deakins e tive o prazer de vê-la (e o resto do filme obviamente) na maior tela de cinema que eu já vi. E eu indico: Bravura Indômita é um filme para se apreciar no cinema.

A direção dos irmãos Coen é surpreendente para quem acompanha o trabalho desses gênios do cinema. Eles fazem uma direção convencional e "clássica", o que não é característica da carreira dos dois. Ousados, criativos, com um humor negro e sempre dispostos a subverter gêneros, eles optaram, desta vez, por filmar um faroeste, respeitando suas características. O resultado é um grande filme que nos remete aos clássicos de Hollywood. Algumas pessoas me falaram que o filme era chato e ouvi até mesmo um francês, chamá-lo de "ennuyant", aborrecido. Ou seja, ele não é unanimidade. Mas acredito que essas opiniões se devem muito a não gostar do gênero ou a não estar familiarizado com ele. 

O filme é baseado em um romance de Charles Portis que já tinha sido levado às telonas em 1969, com John Wayne no papel principal. Não vi este primeiro Bravura, mas, de acordo com os críticos, o filme não envelheceu bem, e este de 2010, o supera em todos os quesitos. A trama é simples, é uma história de perseguição. Mattie Ross, cujo pai é assassinado, busca, com a ajuda de um caçador de criminosos, encontrar o assassino para se vingar. 

O elenco é maravilhoso: Jeff Bridges (concorreu merecidamente ao Oscar este ano), Matt Damon, Josh Brolin (sempre fantástico, numa participação pequena) e Hailee Steinfeld. Esta última é a revelação do ano e uma grande promessa para o cinema. A atuação desta garota de 14 anos é de uma energia encantadora. Para se ter uma idéia, Jeff Bridges faz uma composição fantástica (com um jeito de falar e de andar peculiares) e a jovem atriz não se deixa ofuscar, coisa que Matt Damon, por exemplo, não consegue. Ela é a protagonista do filme e foi indicada pelo Oscar como coadjuvante e não seria injustiça se levasse a estatueta para casa. Gosto, particularmente, da cena em que a personagem de Hailee faz uma negociação envolvendo certos cavalos. É fantástica a forma como, através dessa cena, os diretores apresentam a personalidade da menina.

O filme não cai no maniqueísmo bem contra o mal, seus personagens são figuras complexas. O grande bandido tem os seus valores e o herói  é  um homem cheio defeitos. Ótima direção, grande elenco, belíssima fotografia (que perdeu injustamente o Oscar), um roteiro que é fiel a obra original, uma bela trilha sonora, tudo isso faz de Bravura Indômita um grande filme. Ainda prefiro os irmãos Coen de Fargo e de O grande Lebowski, mas é bom vê-los fazendo algo diferente. O filme concorreu a dez Oscars e não levou nenhum. Não acredito que seja o melhor do ano. Da lista da Academia ainda fico com o meu querido Toy Story 3 ou A Origem, mas ele é melhor do que o bom O discurso do Rei, que acabou saindo vitorioso. Vai entender...

Trailer legendado: